Ícone acessibilidade

Acessibilidade

23 de maio de 2023

Artigos

Inscrições para a Chamada da Teia de soluções com foco no fortalecimento das cadeias da biodiversidade

As melhores propostas, com ideias inovadoras e economicamente viáveis, receberão apoio financeiro para serem executadas. As inscrições seguem até às 18h do dia 2 de junho

As inscrições para a nova Chamada da Teia de soluções, que selecionará propostas inovadoras para fortalecer as cadeias da sociobiodiversidade no Cerrado de Goiás, Zona Costeira da Bahia e na Mata Atlântica (Paraná, sul de São Paulo, norte de Santa Catarina e 17 municípios do Rio de Janeiro), podem ser feitas até as 18h do dia 2 de junho. Os interessados em participar do edital, que destinará até R$ 4 milhões para os melhores projetos, devem propor ideias de soluções práticas para o desafio lançado neste ano, de acordo com a região escolhida, de forma multidisciplinar e colaborativa.

A nova Chamada da Teia de soluções é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário, em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (FAPEG) e a Fundação Araucária (FA), com o apoio da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Governo do Paraná.

“Nosso objetivo é fomentar a busca por soluções que fortaleçam as cadeias dos produtos e serviços da sociobiodiversidade brasileira e, ao mesmo tempo, contribuir para a conservação da natureza a partir das características e potencialidades de cada bioma. Os interessados podem apresentar propostas para uma das regiões e, ao final do processo, as propostas mais consistentes e de maior impacto ambiental positivo receberão apoio financeiro para serem colocadas em prática” explica a gerente de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Marion Silva. 

Os produtos da sociobiodiversidade são recursos e serviços oferecidos por comunidades locais a partir da natureza. “São produtos nativos comercializados a partir de processos responsáveis e sustentáveis, sem impacto negativo ao meio ambiente. Pelo contrário, devem contribuir com a conservação da natureza. Nesse contexto, podemos incluir turismo de natureza, frutos, óleos, pesca artesanal, alimentos beneficiados, entre tantas outras possibilidades”, frisa Silva.

Desafios para os biomas

Na Grande Reserva Mata Atlântica, último remanescente contínuo do bioma distribuído em 60 municípios de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, e na Região Hidrográfica da Baía de Guanabara, que engloba 17 municípios do estado do Rio de Janeiro, o foco é contribuir para a ampliação do impacto socioambiental positivo na Mata Atlântica e ecossistemas associados, buscando eficiência nos processos e agregando o valor de mercado às cadeias da sociobiodiversidade.

Fortalecer as cadeias produtivas de frutos nativos, por meio da inovação e atuação de base comunitária, é o recorte do desafio lançado para o Cerrado de Goiás. Já as soluções inscritas para a Zona Costeira da Bahia devem agregar valor às cadeias produtivas, conservando a biodiversidade.Inscrições

Os interessados devem inscrever suas propostas de solução via formulário disponível no site da Chamada e indicar a região de interesse. As iniciativas executadas na Zona Costeira da Bahia terão apoio da FAPESB e da Fundação Grupo Boticário, com até R$ 600 mil. No Cerrado goiano, FAPEG e Fundação Grupo Boticário investirão até R$ 1 milhão. Na Mata Atlântica do estado do Paraná, até R$ 1 milhão serão alocados pela Fundação Araucária e Fundação Grupo Boticário. Outros R$ 1,4 milhão serão investidos pela Fundação Grupo Boticário para apoiar soluções na Grande Reserva Mata Atlântica e na Região Hidrográfica da Baía de Guanabara. O resultado com as soluções selecionadas para o apoio será divulgado em setembro de 2023.