Ícone acessibilidade

Acessibilidade

21 de setembro de 2023

Ciência do Olfato

Treinamento Olfativo Intensivo em Pacientes Pós-COVID-19: Um Ensaio Clínico Randomizado Multicêntrico

Um estudo conduzido por pesquisadores do Hospital de Clínicas da UFPR, em parceria com o Grupo Boticário, investigou os efeitos do treinamento olfativo em pacientes que experimentaram disfunção olfatória persistente após contrair a COVID-19. A disfunção olfatória, incluindo a perda total (anosmia) ou redução (hiposmia) do olfato, tem sido identificada como um sintoma comum da infecção pelo coronavírus.

Para compreender se o treinamento olfativo poderia ser a chave para reverter essa condição, os pesquisadores reuniram uma amostra de 80 pacientes com disfunção olfatória persistente e histórico recente de COVID-19, com ao menos 4 semanas de disfunção olfativa desde a infecção. Os participantes foram divididos aleatoriamente em dois grupos: um grupo recebeu quatro essências olfativas diferentes durante quatro semanas, enquanto o outro grupo recebeu o dobro de essências (oito, no total) durante o mesmo período.

Os resultados foram surpreendentes, pois ambos os grupos experimentaram melhorias expressivas na capacidade olfativa. No entanto, o estudo não encontrou diferenças estatisticamente significativas entre os dois grupos, sugerindo que a intensificação do treinamento olfativo com mais essências não apresentou vantagens em relação ao método tradicional.

Um achado intrigante foi a associação entre flutuações olfatórias e melhores resultados nos testes de identificação de odores. Ou seja, as pessoas que têm variações no sentido do olfato conseguem identificar cheiros melhor em testes, sugerindo que tal diferença pode estar ligada a uma recuperação mais positiva do olfato após terem contraído COVID-19.

Embora a pesquisa ainda esteja em andamento, esses resultados oferecem uma perspectiva promissora para a gestão da disfunção olfatória pós-COVID-19. O treinamento olfatório pode se mostrar uma abordagem valiosa para ajudar os pacientes a recuperarem a capacidade de sentir e desfrutar dos aromas que os cercam.

Este estudo destaca a importância de pesquisas contínuas e aprofundadas para a compreensão dos efeitos da COVID-19 no sistema olfativo e o desenvolvimento de estratégias para melhorar a qualidade de vida dos pacientes afetados. À medida que a ciência avança, novas abordagens podem surgir, oferecendo esperança e soluções para os desafios trazidos por essa pandemia global.

Veja o artigo oficial no link.