Nossas pessoas
  • 03 JULHO DE 2020

A nossa evolução como sociedade é percebida pela forma como identificamos e reagimos às questões que nos envolvem no dia a dia. Os avanços tecnológicos, em especial as redes sociais, permitiram que a discussão de temas importantes deixasse de ser restrita a pequenos grupos, abrindo espaço e dando voz para quem quiser participar e contribuir. E se conversar é importante, ensinar por exemplo é indispensável, além de ser uma das maneiras mais efetivas de incentivar alguém. Nesse sentido, quando o assunto é equidade de gênero, é como dizer que quando mulheres se enxergam em outras mulheres, a probabilidade de que elas se sintam encorajadas a seguir esses exemplos é maior – apoiadas pelo “caminho já trilhado”. Concretizando essa teoria, um bom exemplo de representatividade é a estátua da “Fearless Girl”, criada como uma iniciativa publicitária para chamar a atenção para a equidade de liderança feminina em Wall Street que se tornou símbolo de empoderamento feminino.

equidade

começa com
representatividade

Se fizermos as contas, faz (apenas) 93 anos que o direito de voto foi conquistado pelas mulheres no Brasil. Hoje, apesar dos avanços pela igualdade de gênero, ainda há um abismo de representatividade entre homens e mulheres. Quando falamos em empreendedorismo, segundo o SEBRAE, são 9,3 milhões de brasileiras empresárias, que representam 34% do total dos donos de negócio no país. Os números também mostram que elas têm nível de escolaridade 16% superior aos homens, mas, mesmo assim, elas continuam ganhando 22% menos que os empresários (IBGE, 2015).

Reconhecendo a realidade em que vivemos e entendendo a responsabilidade corporativa de alavancar a igualdade de gênero no mercado de trabalho, o Grupo Boticário é uma das 60 empresas brasileiras signatárias do WEPs – Women’s Empowerment Principles (Princípios de Empoderamento das Mulheres). O compromisso, criado pela ONU Mulheres e o Pacto Global da ONU, objetiva fortalecer a liderança das mulheres no ambiente de trabalho.

Reconhecendo a realidade em que vivemos e entendendo a responsabilidade corporativa de alavancar a igualdade de gênero no mercado de trabalho, o Grupo Boticário é uma das 60 empresas brasileiras signatárias do WEPs – Women’s Empowerment Principles (Princípios de Empoderamento das Mulheres). O compromisso, criado pela ONU Mulheres e o Pacto Global da ONU, objetiva fortalecer a liderança das mulheres no ambiente de trabalho.

Nesse sentido, um dos últimos resultados que conquistamos nos deixa muito felizes: estamos no TOP3 das melhores empresas brasileiras para as mulheres trabalharem, eleitos pelo Great Place To Work. No dia 24 de junho, a 4ª edição do ranking GPTW Mulher anunciou as 70 organizações que se destacam pelas práticas de RH voltadas para a promoção da equidade de gênero.

elas nos representam

A nossa história está diretamente conectada com o empreendedorismo das mulheres. A primeira franquia de O Boticário foi de uma mulher, a Laura Oliveira, e hoje, 86% das lojas da marca são comandadas por mulheres. Desde o nascimento da empresa, baseamos nossos projetos também na equidade de gênero, de maneira estrutural.

Para além dos números, o que nos inspira a fazer ainda mais é saber que nossas colaboradoras também estão motivadas. A Talyta, que supervisiona uma das linhas de produção da fábrica de cremes, acredita que ter apoio faz toda a diferença no desenvolvimento da sua carreira. Ela se sente acolhida na equipe quando se vê representada em suas supervisoras e coordenadoras, tanto no trabalho, quanto no papel de mãe que algumas delas igualmente desempenham. Ignorando o estereótipo de que mulheres não pertencem à engenharia, ela – que trabalha na linha de produção – estuda eletromecânica e conta sobre a experiência:

“Hoje, são apenas algumas colegas na minha turma, mas os professores encorajam cada vez mais mulheres a estudarem e a realizarem todas as outras coisas que quiserem. Já dá pra sentir que essa mudança está acontecendo.”
Talyta de Andrade Ribeiro, Operadora de Produção, há 6 anos no Grupo Boticário

A Alana começou a carreira no Grupo por indicação de sua tia, e hoje trabalha no setor de Maquiagem, que conta com mulheres em posições da linha de produção às coordenações. Viveu muitas coisas novas em seu trabalho, inclusive, sua primeira viagem de avião para participar da Semana de Diversidade. No começo sentiu medo, mas depois adorou a experiência, quase como uma analogia das inseguranças que ela rebate com coragem:

“Não desista dos seus sonhos. Persista naquilo que você quer”.
Alana Balhs Gonçalves, Auxiliar de operações em SJP, há 3 anos no Grupo Boticário

sororidade

para abrir caminhos

Toda mulher faz escolhas únicas por caminhos diversos, mas quando compartilhamos aprendizados, seguimos mais fortes. Nesse sentido, acreditar na própria competência é um conselho que se repetiu na voz de todas as nossas entrevistadas. Talvez, porque seja o primeiro passo de grandes jornadas. E para acreditar em si mesma, é preciso se ver em outras mulheres.

O fato das entrevistadas se apoiarem na carreira de outras mulheres prova a importância da sororidade, ou seja, da união de todas. Mas de onde vem essa palavra?

Do latim “soror”, que significa irmã, a palavra é definida pelo Dicionário Priberam da Língua Portuguesa como “relação de união, de afeição ou de amizade entre mulheres, semelhante à que idealmente haveria entre irmãs”. “Sororidade” tem sido usada para denominar a união entre as mulheres. É sobre empatia e solidariedade entre elas. Um termo que representa o movimento de aproximação de mulheres pela busca por direitos iguais. Deixar de incitar a rivalidade entre o gênero é fortalecer outras mulheres. Juntos sempre fomos mais fortes.

Acreditamos que essa pauta seja fundamental para os avanços que buscamos dentro e fora da empresa. Nesse sentido, criamos os Grupos de Afinidade para ampliar e democratizar as discussões sobre diversidade. São 5 grupos: Gênero, Gerações, LGBTQI+, Raça e Etnia, e Pessoas com Deficiência. Para cada um deles, estão sendo organizados espaços seguros de troca, crescimento e informação para todos os membros. A participação é voluntária e aberta para todos os colaboradores do Grupo Boticário que fazem uma inscrição online. Lado a Lado é o grupo que fala especificamente sobre equidade de gênero. Vale dizer que homens também são bem-vindos no debate e no grupo Lado a Lado. A inclusão deles na conversa é fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária como exemplificamos no documentário “ Precisamos Falar com os Homens?”, de 2016.

inter
seccionalidade:

O termo interseccionalidade vem da palavra “intersecção”. Lembra na matemática, em que tratamos da intersecção (ou sobreposição) de conjuntos? Pensando nessa lógica, é como se todas participassem de um grande grupo, o das mulheres, mas dentro dele existissem outros agrupamentos o das mulheres negras, com deficiência, das trans, das indígenas, lgbtqi+ e tantas outras. E a luta de cada grupo tem questões diferentes, afinal, parte de lugares diferentes. É preciso, por exemplo, reconhecer os privilégios da mulher branca em relação à mulher negra, que acumula, além do machismo a, o racismo da mulher hétero em relação à homossexual, que acumula machismo e homofobia, da cis para a trans, que acumula machismo e transfobia. Tratar os diferentes grupos em vulnerabilidade como um grupo homogêneo atrasa o avanço de todos.

A Ruth – paranaense que coordena a Saúde Ocupacional do Grupo Boticário na Bahia – acredita que é preciso avaliar o contexto em que estamos inseridos. Em vez de minimizar a dor do outro, é mais produtivo aprender com ela para quebrar preconceitos e reconhecer todas as competências.

Quando foi promovida a coordenadora, diante das celebrações, também entendeu seu papel representativo no Grupo.

afinal, o que é

ser mulher?

Ser mulher, assim como ser homem, é ser humano. Uma experiência muito complexa para definirmos apenas por convenções sociais. Existem muitos roteiros, mas para viver a equidade de gênero, dentro e fora do Grupo Boticário, o caminho que escolhemos é o de dar voz, escutar e representar. E para que avanços aconteçam, todos precisam fazer parte dessa conversa. Valide e motive as mulheres que convivem com você, especialmente, se é uma mulher que você enxerga ao se olhar no espelho.

TAGS: #equidadedegenero #mulheresnotrabalho #desenvolvimento #sororidade #uniao